Página gerada às 12:49h, terça-feira 17 de Outubro

Embaixador indonésio acredita que Timor-Leste entrará na ASEAN no início de 2016

01 de Fevereiro de 2015, 11:22

O embaixador da Indonésia junto da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Rahmat Pramono, acredita que Timor-Leste tornar-se-á membro da organização em 2016, após a criação da Comunidade Económica da ASEAN (AEC).

Ainda é possível que Timor-Leste seja aceite como membro da associação até dezembro, mas o "palpite pessoal" do diplomata aponta para 2016, após ser implementada a zona de comércio livre, que está nas prioridades da presidência rotativa da Malásia.

"Penso que é essa a ideia de Singapura para tentar prolongar. Eles dizem que primeiro precisamos de concentrarmo-nos na AEC e, depois disso, poderemos decidir. Focamo-nos primeiro nas nossas realizações internas", disse à Lusa Rahmat Pramono.

Timor-Leste apresentou a candidatura oficial à ASEAN em 2011, durante a presidência indonésia da organização, mas Singapura - o único Estado-membro que tem mostrado reservas -, defendeu, desde logo, que tal devia acontecer só em 2015.

Num comunicado enviado hoje à Lusa, o embaixador de Singapura junto da ASEAN, Tan Hung Seng, não falou em datas, preferindo frisar que, numa altura em que a ASEAN caminha para a AEC, "é importante" que "se torne numa organização baseada em regras".

"É fundamental definir critérios claros para qualquer pedido de adesão à ASEAN, uma vez que qualquer decisão de expandir a ASEAN terá ramificações não só na AEC", mas também nas áreas sociocultural e de política e segurança da comunidade, defendeu.

Por este motivo, acrescentou, o Conselho Coordenador da ASEAN criou um grupo de trabalho "para estudar todos os aspetos relevantes da candidatura de Timor-Leste e as suas implicações na ASEAN".

De acordo com um antigo funcionário da ASEAN, um estudo sobre as implicações económicas da adesão timorense "já foi realizado e considerado no grupo de trabalho" proposto por Singapura.

O diplomata do país mais rico da ASEAN explicou que a associação baseia-se em "estudos independentes" para estabelecer os critérios de avaliação das candidaturas à ASEAN no que concerne aos três pilares da comunidade: económico, sociocultural e político e de segurança.

"Os países da ASEAN já começaram a trabalhar bilateralmente com Timor-Leste para garantir que o país tem os recursos e a capacidade necessários para a adesão à ASEAN, tendo particularmente em conta que os Estados-membros da ASEAN têm de participar em mais de 1000 reuniões da ASEAN por ano", lembrou.

Tan Hung Seng sublinhou que Singapura tem apoiado o mais jovem país da região do Sudeste Asiático desde a sua independência, em 2002, mencionando, por exemplo, a formação oferecida a "mais de 500 funcionários timorenses".

A Indonésia também criou um grupo de apoio para preparar o corpo diplomático timorense, segundo Rahmat Pramono, ao comentar aquele que tem sido mencionado como um dos principais obstáculos à entrada do país vizinho na organização.

O indonésio reconheceu que o desenvolvimento económico de Timor-Leste ainda é inferior comparado com o registado nos países da ASEAN que recebem assistência -- Birmânia, Laos, Camboja e Vietname.

"Anda há muitas coisas que eles têm de alcançar em termos de desenvolvimento económico", referiu, falando nas infraestruturas, no sistema bancário e no desenvolvimento das pequenas e médias empresas.

O embaixador da Indonésia junto da ASEAN rejeitou as dúvidas de alguns especialistas sobre o nascimento da AEC a 31 de dezembro, como previsto, ressalvando que se trata de um "processo dinâmico" e que até agora "mais de 85 por cento" da execução dos três pilares já está garantida.

A secretaria-geral da ASEAN recusou responder às perguntas da Lusa, justificando que a avaliação da candidatura de Timor-Leste está em análise, e a representação da Malásia junto da organização não o fez até ao momento.

A ASEAN, que conta com dez Estados-membros desde que foi criada a 8 de agosto de 1967, tem como principais objetivos fomentar o crescimento económico e a estabilidade na região.

@Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários