Página gerada às 03:16h, terça-feira 12 de Dezembro

Primeiro avião de Timor-Leste, um Twin Otter 400, aterra em Díli

28 de Outubro de 2015, 23:43

O primeiro avião comercial de Timor-Leste, um Twin Otter 400 para 19 passageiros e que representa um investimento de cerca de sete milhões de dólares, aterrou hoje na cidade de Díli, depois de uma longa viagem desde o Canadá.


As principais individualidades timorenses estiveram no Aeroporto Presidente Nicolau Lobato, em Díli para receber o avião, adquirido pela Autoridade da Região Administrativa da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM).

O avião, que vai ser pilotado por quatro pilotos timorenses que receberam formação no Canada, permitirá ligações com o enclave de Oecusse e a ilha de Ataúro, numa primeira fase e, progressivamente, com outras cidades de Timor-Leste, quando as pistas estiverem em condições.

Para chegar a Díli o avião teve já um primeiro ‘baptismo de voo’ até Timor-Leste, com uma viagem de 15 horas do Canadá para Honololu, de 12 horas até Port Moresby (Papua Nova Guiné) e mais 10 horas até Díli.

Mari Alkatiri, responsável da ZEESM disse à Lusa que fomentar as ligações marítimas e aéreas é vital para um país com as características de Timor-Leste.

"Usar a comunicação pela via área num país que é uma meia ilha é algo de suma importância. A nossa economia não se deve limitar à economia doméstica. Temos que atrair investidores e a aviação facilita isso", afirmou.

Questionado sobre as críticas ao custo do avião, Alkatiri disse que há sempre opções mais baratas, mas que neste caso se optou por "algo de maior resistência e melhor para o terreno" timorense.

O primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, afirmou à Lusa que o Governo tem que investir mais na sua rede de transportes, um processo progressivo que já está em curso.

"Como ilha que somos vamos ter que explorar o máximo possível a nossa condição de ilha e facilitar os transportes nesse sentido. Um exemplo concreto: a viagem da costa norte para a costa sul leva 4 a 5 horas", disse.

"Se os transportes aéreos e marítimos vierem a ser optimizados essa duração pode ser menor e facilitar a deslocação dos bens e serviços e das pessoas também", sublinhou.

Para 2016, o Governo manterá o investimento em Oecusse, estando previsto um orçamento em torno dos 200 milhões de dólares (180 milhões de euros), "para haver continuidade" do projecto, estando a estudar-se investimentos noutras zonas do país, com um processo "faseado nos próximos 15 anos".

Na cerimónia, Rui Araújo disse que esta é uma “aposta visionária" que se enquadra na estratégia de desenvolvimento, permitindo ligar como nunca as populações de Timor-Leste.

"Até agora para chegar a Oecusse era como ir visitar um outro quarto da nossa casa e termos que passar pela casa do vizinho", afirmou.

Mari Alkatiri explicou que com o novo avião a viagem a Oecusse torna-se ainda mais fácil, juntando-se aos meios marítimos já existentes e em fase de construção, entre os quais um novo ferry que está a ser fabricado em Portugal e um novo navio rápido já a funcionar.

"É o primeiro avião de Timor-Leste. Nosso. Sem ser alugado", disse.

A Presidência da República timorense foi a primeira instituição a recorrer ao avião, tendo já marcado 15 lugares para uma visita em breve a Oecusse.

A viagem até Oecusse deverá demorar cerca de 40 minutos.

com Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários