Página gerada às 10:24h, quarta-feira 25 de Janeiro

Emigração portuguesa para o Reino Unido voltou a disparar entre 2014 e 2015

26 de Novembro de 2015, 20:30

A emigração portuguesa para o Reino Unido quebrou a tendência de estabilização ao subir 22% entre setembro de 2014 e setembro de 2015 face ao mesmo período entre 2013 e 2014, segundo estatísticas oficiais publicadas hoje.

De acordo com os números do Ministério do Trabalho e Pensões britânico, 34.145 nacionais portugueses pediram naquele período um número de segurança social, obrigatório para qualquer contrato de trabalho.

Este valor representa um aumento de 6.099 face aos 28.046 portugueses que se registaram para trabalhar pela primeira vez nos 12 meses anteriores a setembro de 2014.

Há um ano, estas mesmas estatísticas tinham apontado para uma estabilização do número de portugueses que chegam ao Reino Unido para trabalhar, ao revelar um ligeiro decréscimo de 0,77% relativamente aos 28.263 registados entre setembro de 2012 e 2013.

O número de segurança social [National Insurance Number] é compulsório para quem queira trabalhar a tempo inteiro ou parcial, como, por exemplo, estudantes, para reclamar apoios sociais ou para aqueles que se registem como trabalhadores independentes.

Embora sejam um indicador sobre os fluxos migratórios, estas estatísticas não contabilizam aqueles que não trabalham, como menores, idosos ou outros dependentes.

Portugal é, atualmente, o sexto país de onde chegam mais nacionais para trabalhar em território britânico, atrás da Roménia, Polónia, Itália, Espanha e Índia.

Segundo o boletim, a comunidade lusófona em geral continua também a aumentar: registaram-se na segurança social britânica, entre setembro de 2014 e setembro de 2015, 125 angolanos (+7%), 46 moçambicanos (+92%), 39 cabo-verdianos (+56%) e 36 timorenses (+260%).

Pelo contrário, apenas se registaram 41 guineenses (-28%) e 20 são-tomenses (-44%).

 

com Lusa


Comentários

Critério de publicação de comentários