Página gerada às 12:49h, terça-feira 17 de Outubro

Justiça indonésia pede dois anos de liberdade condicional para governador por blasfémia

20 de Abril de 2017, 22:51

O Ministério Público indonésio pediu hoje dois anos de liberdade condicional para o governador cessante de Jacarta, que está a ser julgado por blasfémia no maior país muçulmano do mundo.

Basuki Tjahaja Purnama, conhecido como "Ahok", é "culpado de ter cometido publicamente um delito", declarou o procurador, Ali Mukartono, sublinhando que o acusado tinha expressado "hostilidade, ódio ou humilhação em relação a parte da população indonésia", na sua maioria (cerca de 90%) muçulmana.

O pedido foi apresentado um dia depois de “Ahok”, oriundo de duas minorias cristã e chinesa, ter sido derrotado nas eleições, vencidas pelo rival muçulmano, apoiado pelos religiosos conservadores.

O governador foi acusado de blasfémia no final do ano passado. Os argumentos finais da defesa estão previstos para o final do mês e o julgamento deve começar em maio.

A pena máxima para blasfémia na Indonésia é de cinco anos de prisão.

“Ahok” foi acusado de blasfémia na sequência da divulgação de um vídeo, no qual dizia aos eleitores que estavam a ser enganados se acreditassem na interpretação de alguns ulemas (teólogos muçulmanos) de que um versículo específico do Alcorão proibia os muçulmanos de elegerem um não-muçulmano como líder.

Grupos conservadores islâmicos organizaram protestos contra “Ahok”, que juntaram centenas de milhares de pessoas em Jacarta.

"Ahok", primeiro governador não muçulmano nos últimos 50 anos e o primeiro oriundo da minoria chinesa, acedeu automaticamente ao cargo em 2014, depois do antecessor Joko Widodo ter sido eleito chefe de Estado.

Na quarta-feira, "Ahok" foi derrotado nas eleições locais ao obter 42% dos votos contra 58% para o antigo ministro da Educação Anies Baswedan, de acordo com estimativas.

O influente cargo de governador da capital de dez milhões de habitantes é considerado um trampolim para as presidenciais de 2019.

com Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários