Página gerada às 20:41h, quarta-feira 15 de Agosto

Ramos-Horta considera coligação da oposição timorense “absurdo político” com profundas diferenças

09 de Fevereiro de 2018, 23:51

O ex-Presidente e atual ministro timorense José Ramos-Horta considerou a grande coligação das forças de oposição timorenses um "absurdo político" onde se evidenciam grandes diferenças programáticas e "insatisfação" sobre as listas de candidaturas às eleições antecipadas de maio.


"Não vejo solidez nenhuma na coligação. Pode haver uma grande vontade individual, a nível do Xanana [Gusmão] e do Taur Matan Ruak. Mas é pontual e será até quando?", questionou José Ramos-Horta, ministro de Estado no atual Governo liderado pela Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) e pelo Partido Democrático (PD), em declarações à agência Lusa.

"Dadas as enormes diferenças que prevalecem dentro dessa coligação, quanto tempo durará? Uma coligação a três ou até a 13 é um absurdo político completo, sem pensarem nas implicações ou consequências", disse Ramos-Horta que faz parte do atual Governo, como independente.

As três forças da oposição - o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), liderado por Xanana Gusmão, o Partido Libertação Popular (PLP), liderado por Taur Matan Ruak e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) - formaram um bloco maioritário no atual parlamento nacional, já depois da tomada de posse do atual Governo.

A Aliança de Maioria Parlamentar (AMP) transformou-se recentemente na Aliança para Mudança e Progresso (AMP), nome com o qual os três partidos se querem apresentar, unidos, às eleições previstas para 12 de maio. À AMP podem ainda juntar-se outras forças políticas mais pequenas.

"Há diferenças profundas de programa entre eles. Por isso há grande descontentamento no seio do PLP, em muita gente, que incluindo na juventude, fugiu do CNRT para votar no PLP como voto de protesto em relação ao CNRT. O mais provável é que voltem para o PD ou para a Fretilin", disse Ramos-Horta.

A pensar nas eleições antecipadas, Ramos-Horta antevê que a Fretilin veja o seu apoio reforçado porque "agora tem muito mais vantagem do que qualquer outro partido".

"Vejo dois possíveis vencedores, que serão a Fretilin e o PD. Na minha observação, e mantenho uma posição neutra nisto, vejo grande onda de simpatia e de respeito por Mari Alkatiri [o primeiro-ministro], pela coragem com que ele aguentou estes meses de grande vendaval e impacto", considerou.

Nas eleições de 2017 o PLP fez uma campanha marcada por fortes críticas ao CNRT e às suas políticas, com tensão política entre Taur Matan Ruak e Xanana Gusmão, cujas diferenças parecem agora ter sido resolvidas, com um vídeo de ‘reconciliação' entre ambos a circular nas redes sociais.

Todo o processo de formação da AMP tem decorrido sem a presença em Timor-Leste de Xanana Gusmão, que está desde 11 de setembro fora do país a liderar a equipa timorense que negociou um novo tratado sobre fronteiras marítimas que deve ser assinado em março.

CNRT e PLP têm garantido aos jornalistas que as diferenças programáticas serão resolvidas e que a questão das listas também, mostrando uma frente unida em que os líderes históricos Xanana e Matan Ruak, e o fundador do KHUNTO, José Naimori, aparecem juntos no novo logo da coligação.

Ramos-Horta garante, no entanto, que "há já uma grande insatisfação nas fileiras do PLP e do CNRT sobre a possível lista das candidaturas" já que "não se sabe se alguns dos 22 eleitos pelo CNRT cedem lugar aos oito do PLP ou se estes estarão na lista depois dos do CNRT".

Estas incertezas, disse, foram em parte o que levou o Presidente da República a optar por eleições antecipadas em vez de convidar a oposição a formar uma alternativa de Governo.

"O PR tem essa responsabilidade: se vai convidar alternativa têm que dar garantias de que podem sobreviver com boa governabilidade durante cinco anos e obviamente que não podiam dar", afirmou.

A tensão política que se vive em Timor-Leste há vários meses tem feito também reacender debates antigos na sociedade timorense, com as redes sociais marcadas por referências a diferenças entre a frente armada e a frente diplomática da luta contra a ocupação indonésia.

Alguns militantes ligados aos partidos da oposição e até alguns artigos na imprensa nacional têm vindo a sugerir que as eleições antecipadas previstas para maio colocarão frente a frente, de um lado homens da frente armada como Xanana Gusmão e Taur Matan Ruak - líderes dos maiores partidos da oposição, CNRT e PLP - e do outro líderes da frente diplomática, como Mari Alkatiri e José Ramos-Horta, juntos no Governo.

"É perigoso. É desonesto. Significa que estão a negar muito veteranos na Fretilin, que esteve sempre na montanha. Negam a contribuição da Renetil [braço juvenil da resistência] no PD, a colaboração dos que foram vítimas de tortura. Só pode ser feito por gente oportunista e irresponsável", afirmou.

José Ramos-Horta sublinhou que estas posturas são de uma "minoria" e que os líderes históricos, como Xanana Gusmão, Taur Matan Ruak ou Lere Anan Timur, "nunca endossariam esse tipo de manipulações".

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários