Página gerada às 20:04h, sexta-feira 22 de Junho

Militares australianos aprendem a falar português para missões em Timor-Leste

12 de Março de 2018, 23:30

O ensino da língua portuguesa na Austrália está em crescimento, havendo um grupo de militares australianos que frequenta um curso para poderem desempenhar missões em Timor-Leste, disse hoje à agência Lusa o presidente do instituto Camões.


Em declarações à agência Lusa, Luís Faro Ramos, contactado telefonicamente em Perth (oeste da Austrália), onde acompanhou a visita de trabalho de dez dias à Austrália e Nova Zelândia do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, há “total disponibilidade” das autoridades australianas em promover a língua portuguesa.

“Há boas possibilidades para a promoção da língua e o balanço da visita é muito positivo”, sintetizou o presidente do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, salientando as oportunidades de ensino a portugueses residentes na Austrália, bem como a lusodescendentes e aos próprios australianos, bem como na Nova Zelândia.

Exemplo disso, segundo Luís Faro Ramos, é a existência de “um grupo de quatro ou cinco militares” que estão a aprender a língua portuguesa para irem trabalhar como instrutores em Timor-Leste, além de iniciativas já a decorrer e outras que foram, entretanto, perspetivadas.

“Aqui há uma pista interessante, o interesse australiano em aprender a língua portuguesa como instrumento de trabalho, no caso das Forças Armadas australianas em Timor-Leste”, destacou.

Em Melbourne, continuou vai ser criado um projeto piloto na Escola de Línguas em Vitória para o ensino do Português através da “Plataforma Mais Perto”, 'online', desenvolvida entre o Camões e a Porto Editora, já utilizada atualmente por cerca de 600 pessoas em 27 países e que será “transposta” também para a Austrália.

Como segundo resultado, acrescentou o presidente do instituto Camões foi a garantia obtida de uma cidade nos arredores de Perth a disponibilização de uma sala para o ensino do Português, para o que há já uma professora e interessados.

Luís Faro Ramos destacou também a abertura de três “espaços de leitura”, em Sidney, Melbourne e Perth, criados com a contribuição do instituto Camões, através do envio de material didático – livros e dicionários, entre outros.

“Vai permitir a jovens, portugueses ou de outra nacionalidade ter um espaço de leitura em Português”, frisou, indicando também que foram oferecidos livros à Federação de Escolas Comunitárias de Nova Gales do Sul, onde se encontra Sidney.

“É um esforço de colaboração do Camões para criar hábitos de leitura numa comunidade que, por vezes, tem uma certa tendência para os perder”, insistiu.

Outro resultado positivo da visita foi a entrega de 11 diplomas por Eficiência do Português a 21 jovens australianos de Sidney, Melbourne e Perth, os melhores de cada curso, ministrado por professores portugueses.

“Foi uma visita muito proveitosa, com resultados concretos e que nos permitiu dizer à nossa comunidade [cerca de 55.000 portugueses na Austrália e entre 1.500 a 2.000 na Nova Zelândia] que a distância não conta muito. Seja através do ensino presencial, do 'online' ou do à distância, estamos com a comunidade e dispostos a ajudá-la para que continue a promover o Português”, disse.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários