Página gerada às 19:58h, segunda-feira 17 de Junho

Sistema interbancário desenvolvido pela portuguesa SIBS lançado em Timor-Leste

18 de Dezembro de 2018, 21:31

O Banco Central de Timor-Leste (BCTL) anunciou hoje o lançamento do primeiro sistema eletrónico interbancário, o P24, desenvolvido pela empresa portuguesa SIBS, que vai ser usado, inicialmente, por dois dos cinco bancos comerciais do país.


"O P24 que hoje lançamos representa o empenho do setor bancário timorense em criar um sistema de pagamento moderno e interoperável, para ajudar o público a conseguir realizar transações de forma mais eficiente", explicou o vice-governador do BCTL, Venâncio Alves Maria.

A empresa portuguesa SIBS foi contratada pelo BCTL para implementar o primeiro sistema eletrónico interbancário que permitirá aos clientes de todos os bancos que operam no país aceder a uma rede idêntica ao Multibanco português.

Desenhado para ser operado em quatro línguas, português, tétum, inglês e indonésio, o P24 permitirá, quanto estiver totalmente desenvolvido, abranger as transações ou pagamentos em multibancos, pontos de venda e telemóveis.

A diretora geral adjunta do Banco Nacional Ultramarino (BNU) em Timor-Leste, Carolina Letra, afirmou que se chega agora a uma "etapa muito importante no desenvolvimento do sistema de pagamentos em Timor-Leste", permitindo a "qualquer cartão emitido por qualquer banco em Timor-Leste poder ser usado em qualquer ATM [caixa automática] independentemente do banco a que pertence".

Numa primeira fase, o sistema vai abranger clientes do português BNU e do indonésio Mandiri, estando ainda a decorrer o processo de integração interna no timorense BNCTL e do também indonésio BRI.

O governador do BCTL, Arão de Vasconcelos, sublinhou a natureza histórica deste "evento de transformação importante no sistema financeiro de Timor-Leste", que permite aumentar o acesso ao sistema de pagamento do país e consolidar a estratégia nacional para o desenvolvimento do sistema financeiro timorense.

Carolina Letra explicou que o sistema está já operacional em 39 dos 42 caixas automáticas do BNU ajudando a "facilitar a inclusão financeira e a acessibilidade aos meios de pagamentos", ajudando assim no esforço de "redução de numerário" a circular na economia timorense.

"Estes projetos não são fáceis, envolvem entidades com diversas perspetivas e interesses, com elevados desafios tecnológicos e 'know how'. Há ainda situações a ajustar e melhorar, quer ao nível técnico, quer formal, o que deverá ocorrer de seguida", disse.

A rede abrange quer caixas ATM, quer postos de pagamento [POS/TPA] instalados nos estabelecimentos comerciais, com acesso às principais transações bancárias, de acordo com a informação divulgada pelo BCTL.

Progressivamente, a rede aceitará cartões internacionais da marca Visa e, mais tarde, de outras redes, incluindo Mastercard e Union Pay.

O projeto inclui ainda a interligação entre as operadoras de telecomunicações (Timor Telecom, Telemor e Telkomcel), permitindo o desenvolvimento do sistema Mobile Money.

Trata-se, explicaram as autoridades bancárias, de "facilitar a inclusão financeira e oferta de serviços bancários mínimos às populações que vivam em zonas mais remotas", procurando reduzir a economia em dinheiro (numerário), ainda dominante no país.

Timor-Leste usa o dólar norte-americano como moeda, pelo que a importação, transporte, contagem e demais operações com dinheiro vivo se tornam particularmente caras para os operadores bancários.

Quando estiver a funcionar em pleno, a nova rede interbancária permitirá também o pagamento de impostos e outras taxas, operações que estão agora a ser feitas, na quase totalidade, aos balcões do BNU.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários