Página gerada às 08:07h, domingo 18 de Agosto

Municípios portugueses retomam cooperação técnica com governo de Timor-Leste

11 de Fevereiro de 2019, 17:59

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e o Governo timorense vão retomar a cooperação iniciada há uns anos no capítulo da formação de recursos humanos, foi anunciado este sábado.


No final de uma reunião realizada este sábado em Coimbra, o presidente da ANMP, Manuel Machado, disse aos jornalistas que será dada continuidade à realização de iniciativas de cooperação com Timor-Leste, através da Fundação para os Estudos e Formação nas Autarquias Locais (FEFAL).

"Estamos a fazer continuidade de um trabalho que há alguns anos deu resultados muito positivos com os países de língua oficial portuguesa", disse o presidente da ANMP, salientando a capacidade da FEFAL para a preparação de recursos humanos e profissionais da administração pública.

Manuel Machado disse que a ANMP, ao saber do interesse do governo timorense em retomar "este caminho de cooperação, acolheu o desafio de braços abertos".

"Iremos fazer os protocolos necessários para que a parceria corra dentro das formalidades, em articulação com o Governo português e o de Timor-Leste", referiu.

Segundo o presidente da ANMP, foram ainda desencadeados procedimentos junto da Comissão Europeia para obtenção de fundos para a "capacitação das comunidades e governos locais", para que haja apoio neste projeto de cooperação com Timor-Leste.

Em declarações aos jornalistas, o vice-ministro da Administração Estatal timorense salientou que a sua visita a Portugal pretende "reabrir portas de uma cooperação que já tinha existido há 8/9 anos e para agradecer financiamento da ANMP para a reconstrução de uma vila antiga em Baucau".

"Aproveito esta visita para retomar a cooperação entre os dois governos, mais especificamente a secretaria de Estados das Autarquias Locais com o ministério da Administração Estatal timorense", salientou Abílio José Caetano.

De acordo com o governante, a cooperação entre municípios portugueses e timorenses foi assinada em 2014.

"Estamos aqui para rever esta cooperação e, ao mesmo tempo, explorar o fundo da União Europeia, que já desbloqueou verbas para iniciarmos a cooperação", sublinhou.

O vice-ministro timorense frisou que o seu país necessita de assessores portugueses para os ajudar a elaborar legislação de formação profissional para os seus funcionários e técnicos autárquicos.

As áreas do governo eletrónico e estabelecimento da Loja do Cidadão são as restantes áreas em que Timor-Leste necessita de formação, acrescentou o governante, referindo que existe a possibilidade de Portugal enviar técnicos para o território ou dos formandos se deslocarem a Portugal.

Abílio José Caetano fez-se acompanhar de uma pequena comitiva de seis pessoas e, na sua passagem por Portugal, reuniu com o secretário de Estado das Autarquias Locais e visitou a Agência para a Modernização Administrativa.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários