Página gerada às 03:42h, quinta-feira 03 de Julho

Austrália não mudou o seu comportamento face a Timor-Leste, segundo Kim McGrath

28 de Junho de 2019, 19:31

A escritora e investigadora australiana Kim McGrath considera que a Austrália "não mudou o seu comportamento" face a Timor-Leste, assinalando o secretismo à volta do julgamento de um delator e do seu advogado.


Em entrevista à Lusa à margem da apresentação da edição portuguesa do seu livro "Passar dos Limites - A História Secreta da Austrália no Mar de Timor", Kim McGrath, abordou o caso do antigo espião dos serviços secretos australianos - a Testemunha K - e do seu advogado.

"A história da Testemunha K e de Bernard Collaery [advogado] mostra que a Austrália não mudou o seu comportamento”, afirmou, recordando a incursão à casa do ex-espião e aos escritórios do advogado na véspera da primeira audiência no Tribunal Arbitral de Haia.

A existência de um esquema de escutas montado em 2004 pelos serviços secretos australianos em escritórios do Governo timorense, em Díli, durante as negociações para um novo tratado para o mar de Timor, foi denunciada por um ex-agente dos serviços secretos australianos, conhecido como Testemunha K, cuja identidade nunca foi revelada publicamente.

A Testemunha K e o seu advogado, Bernard Collaery, são acusados de conspiração pelas autoridades em Camberra, crime que tem uma pena máxima de dois anos de prisão e estão a ser julgados num tribunal australiano.

"O procurador-geral australiano procurou que o julgamento se realizasse à porta fechada, é muito kafkiano, e por muito tempo Bernard [Collaery] não sabia do que eram acusados, e não podia informar os seus advogados porque isso poderia violar [leis de] segurança nacional", explicou, acrescentando que a espionagem australiana em Díli "foi colocar o dedo numa ferida que estava a sarar aos poucos".

Ainda assim, a australiana diz "acreditar fortemente" que a denúncia da Testemunha K foi "a única razão para a Austrália ter concordado com negociações apropriadas".

De acordo com os relatos, através das escutas, o Governo australiano obteve informações que permitiriam favorecer as intenções australianas nas negociações com Timor-Leste da fronteira marítima e pelo controlo do Greater Sunrise, uma rica reserva de petróleo e gás.

O tratado, que acabou por ser assinado, apontava que cada país teria 50% da área a explorar, embora a maior parte das reservas se encontrasse dentro de território timorense.

Quando tomou conhecimento da existência das escutas, Díli contestou o tratado e apresentou uma queixa contra a espionagem de Camberra junto do Tribunal Arbitral de Haia, argumentando que, devido às ações do Governo australiano, o acordo era ilegal.

Questionada sobre se a Austrália deveria indemnizar Timor-Leste pelas consequências da espionagem, McGrath considerou que sim, pedindo a responsabilização das chefias australianas que utilizaram os serviços secretos para beneficiar negociações financeiras.

“Se há alguém que deveria ser acusado, são as pessoas que ordenaram a colocação de escutas num pobre país vizinho numa altura em que a Austrália enfrentava ameaças terroristas oriundas da Indonésia e os serviços secretos australianos estavam alocados para lá [Timor-Leste] e não para salvar as vidas de cidadãos australianos", concluiu.

O livro, lançado esta semana em Portugal, cerca de dois anos depois da sua primeira edição na Austrália, surgiu durante uma série de visitas da investigadora a Timor-Leste, enquanto estava a trabalhar com o antigo Presidente timorense Xanana Gusmão e com o político australiano Steve Bracks.

"Durante essas visitas, tornou-se cada vez mais claro que Timor-Leste tinha assinado um tratado em 2006 com a Austrália que dava à Austrália acesso e direitos ao petróleo e gás no lado de Timor-Leste. E neste tratado havia uma mordaça de 50 anos que limitava até conversações sobre as fronteiras marítimas" entre os dois países, algo que "não fazia sentido" para a autora e que a fez começar uma investigação.

"Inicialmente queria escrever um livro sobre as visitas a Timor e sobre a história recente do país, mas depois comecei a acompanhar a história do petróleo e encontrei todos estes documentos no Arquivo Nacional Australiano que não tinham sido analisados antes” e comecei a aperceber que havia toda esta parte da história diplomática australiana que tinha sido removida deliberadamente da nossa história oficial", explicou a autora.

Uma parte importante dos documentos consultados por Kim McGrath integrava uma publicação do Departamento dos Negócios Estrangeiros e do Comércio da Austrália, a que a autora apelida de "Downer Report" – nome inspirado no ministro dos Negócios Estrangeiros australiano aquando da sua divulgação, em 2000, Alexander Downer.

O "Downer Report", um documento com 952 páginas e 486 telegramas, foi divulgado por Downer com o objetivo de "ajudar a contar a verdade sobre a resposta da Austrália à invasão indonésia em Timor-Leste".

"Essa compilação é fascinante e tem muitas provas que validam fugas de informação divulgadas por jornalistas que apontam que a Austrália foi muito complacente" com a invasão, chegando a "incentivar ativamente" a ocupação de território timorense pela Indonésia.

"À medida que ia analisado mais e mais ficheiros, cheguei à conclusão de que havia centenas de documentos que não estavam nos registos", explicou a autora, referindo que muita da informação estava rasurada.

Ainda assim, McGrath detalha que "havia informação suficiente que não estava rasurada" que lhe permitiu concluir que, em 1975, a Austrália tinha já "interesses multimilionários" com a presença da Indonésia em Timor-Leste, com os australianos a acreditarem ser mais fácil negociar com os indonésios do que com os portugueses.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários