Página gerada às 19:11h, sexta-feira 07 de Agosto

Parlamento debate atribuição da nacionalidade a jornalista que filmou massacre de Santa Cruz

06 de Dezembro de 2019, 20:52

O Parlamento Nacional debate na terça-feira, em plenário, a atribuição da nacionalidade ao jornalista britânico Max Stahl, que filmou o massacre de Santa Cruz, em reconhecimento pelo seu papel na luta pela libertação de Timor-Leste.


A decisão de promover o debate foi aprovada na Conferência de Líderes das bancadas com assento parlamentar, com a medida a ser apoiada sem contestação.

A atribuição, que coincide com o dia dos direitos humanos, ocorre numa altura em que o jornalista está a recuperar de uma cirurgia no Reino Unido, para onde viajou no final de novembro.

presidente do Parlamento Nacional, Arão Noé Amaral, afirmou que a atribuição da “cidadania especial” foi recomendada pelo Presidente da República timorense, Francisco Guterres Lu-Olo.

“Max Stahl deixou o seu contributo desde 1991 até hoje. Foi uma sugestão do Presidente da República que o Parlamento Nacional vai considerar, tendo ficado agendado o debate para 10 de dezembro”, indicou.

A 22 de novembro o Presidente da República condecorou Max Stahl, destacando a sua nobreza e coragem em defesa do direito à autodeterminação, e defendeu que lhe seja concedida a cidadania de Timor-Leste.

“Alguém que, com tanta nobreza, arriscou a sua vida em horas de extrema gravidade e que se entregou totalmente ao nosso país, ganhou o direito de ser cidadão timorense”, afirmou na altura Francisco Guterres Lu-Olo.

“O nosso irmão Max Stahl é tão timorense quanto nós. Solicito ao Parlamento Nacional a atenção para este caso, por uma questão da mais elementar justiça”, disse.

Max Stahl – jornalista que filmou o massacre de Santa Cruz a 12 de novembro de 1991 – foi condecorado com o Colar da Ordem da Liberdade, o mais alto galardão que pode ser dado a um cidadão.

Christopher Wenner, que começou a ser conhecido como Max Stahl, iniciou a sua ligação a Timor-Leste a 30 de agosto de 1991 quando, “disfarçado de turista”, entrou no território para filmar um documentário para uma televisão independente inglesa.

Entrevistou vários líderes da resistência e, depois de sair por causa do visto, acabou por regressar, entrando por terra, acabando, a 12 de novembro desse ano por filmar o massacre de Santa Cruz.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários