Página gerada às 17:17h, quarta-feira 01 de Abril

Covid-19: PM pede desculpa à OMS por declarações de responsável policial

26 de Março de 2020, 00:43

O primeiro-ministro, Taur Matan Ruak, lamentou ontem as declarações de um responsável policial do país que criticou o trabalho das Nações Unidas e da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Timor-Leste.


Uma nota divulgada na página oficial do seu gabinete no Facebook, explica que Taur Matan Ruak se reuniu hoje com o responsável da ONU em Timor-Leste, Roy Trivedy e com o responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS), Rajesh Pandav.

Nesse encontro o chefe do Governo “lamentou a declaração com falta de cuidado” do superintendente chefe da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL), Pedro Belo, sobre a ação das Nações Unidas em Timor-Leste.

“O Governo pede desculpa à OMS e realça que as declarações não refletem o Governo ou o Estado de Timor-Leste”, refere.

Taur Matan Ruak disse ter dado instruções ao ministro interino do Interior, Filomeno Paixão, para que garanta que "o comandante se limita a falar da sua área de trabalho”.

O chefe do Governo reiterou a “confiança” do executivo na OMS e que o Estado aprecia o trabalho que a organização tem vindo a desenvolver no país no apoio aos esforços do Governo para combater a pandemia de covid-19.

A Lusa tentou sem sucesso contactar o ministro interino do Interior.

Em comunicado enviado à Lusa ontem, Roy Trivedy expressou “grande desilusão e descontentamento” pelas críticas “irresponsáveis” de um comandante policial timorense sobre o apoio da Organização Mundial de Saúde no combate à covid-19 no país.

“É angustiante ver e ouvir um alto funcionário público declarar publicamente na televisão nacional ontem à noite que "’não está satisfeito com a OMS, que não estão a ajudar o Governo a combater a covid-19”, disse Roy Trivedy em comunicado enviado à Lusa.

“A declaração feita pelo comandante Operacional da PNTL é factualmente incorreta, mostra uma falta de compreensão do papel da OMS e é altamente irresponsável”, referiu.

Também o ex-Presidente da República, José Ramos-Horta, pediu hoje desculpas, como cidadão de Timor-Leste, pelas críticas que alguns compatriotas têm feito contra os cidadãos e agências estrangeiras, incluindo a ONU, presentes no país.

“Peço desculpas a todos os nossos hóspedes que trabalham nesta terra amada quando algum timorense vos desrespeita. Como cidadão de Timor-Leste curvo-me, baixo a cabeça, e peço-vos desculpas”, escreveu numa mensagem no Facebook.

"Alguns já se esqueceram da solidariedade da comunidade internacional. Alguns deitaram fora o seu coração”, sublinhou.

Os comentários de Ramos-Horta surgem na sequência de relatos de incidentes envolvendo estrangeiros, incluindo portugueses, que são associados ao novo coronavírus, bem como das críticas do responsável policial.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários