Página gerada às 07:08h, quinta-feira 03 de Julho

COVID-19: Governo deve evitar complacência perante risco continuado da pandemia

27 de Junho de 2020, 01:36

O responsável das Nações Unidas em Timor-Leste disse ontem que as autoridades não podem ser complacentes face ao risco que permanece da pandemia da COVID-19, retirando as restrições em vigor gradualmente e mantendo as medidas de vigilância de saúde.


“Com o total de casos da COVID-19 a atingir os 10 milhões, o número de mortos a aproximar-se de 500 mil e cerca de 135 milhões de empregos perdidos até agora, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), todos os países precisam de garantir que não há complacência na resposta à pandemia”, disse Roy Trivedy, em declarações à Lusa.

Trata-se, explicou, de fazer “escolhas difíceis sobre a melhor forma de proteger a saúde dos cidadãos e garantir que a pandemia é contida, ao mesmo tempo que apoiam as economias a recuperarem, as pessoas a voltar ao trabalho ‘normal’ e às suas vidas”.

Roy Trivedy falava à Lusa no dia em que Timor-Leste termina três meses de estado de emergência devido à COVID-19, com o país sem casos ativos desde 15 de maio e as autoridades a pretenderem manter algumas restrições, especialmente a nível das fronteiras.

O responsável da ONU defende que é essencial que a população continue a respeitar “os protocolos de saúde pública e higiene estabelecidos ao longo dos últimos meses, especialmente, lavagem de mãos, distanciamento físico, uso de máscaras em locais públicos e evitar grandes aglomerações em locais confinados”.

Trivedy insiste que as autoridades devem continuar a informar de forma transparente sobre eventuais casos e testes, procurando levantar as medidas restritivas de forma progressiva.

“É preciso garantir que as medidas de quarentena e isolamento estabelecidas são rigorosamente seguidas e, se necessário, instalações adicionais são estabelecidas para a quarentena efetiva e isolamento de possíveis novos casos”, considerou.

Timor-Leste está sem casos ativos de COVID-19 desde 15 de maio, com os 24 pacientes positivos detetados no país a recuperarem.

O estado de emergência terminou às 23:59 de ontem, hora local.

Lusa

 


Comentários

Critério de publicação de comentários