Página gerada às 15:03h, segunda-feira 09 de Dezembro

Coro Gulbenkian no XXVIII Festival Internacional de Música de Macau em outubro

22 de Julho de 2014, 20:41

Macau, China, 22 jul (Lusa) - O Coro Gulbenkian é a proposta portuguesa no XXVIII Festival Internacional de Música de Macau (FIMM), que este ano aposta na música de câmara e decorre entre 03 de outubro e 01 de novembro.

No ano em que celebra o seu cinquentenário, o Coro Gulbenkian regressa a Macau com dois concertos: na Igreja de São Domingos e no Centro Cultural de Macau (CCM), a 15 e 16 de outubro, anunciou hoje o Instituto Cultural.

Sob a batuta do maestro Michael Corboz, o Coro Gulbenkian vai levar à Igreja de São Domingos o concerto de "Música Sacra do Alto Barroco ao Romantismo Francês", com obras do alemão J.S. Bach, do português Francisco António de Almeida e do francês Gabriel Fauré.

Já no segundo espetáculo, o Coro Gulbenkian promete um "Concerto de Música Portuguesa dos séculos XVII e XX", sob a direção do maestro Jorge Matta e com "reportórios históricos e obras de compositores portugueses contemporâneos", incluindo "temas de Fernando Lopes-Graça e estimulantes impressões do Brasil, musicalmente codificadas por Christopher Bochmann", revela o programa.

"A música de Eurico Carrapatoso, composta para poemas de Camilo Pessanha, um simbolista português que fez de Macau a sua casa", será também ouvida no CCM, num concerto que ficará completo com "O ciclo de canções de Angola e Moçambique: O que me diz o vento tropical".

O XXVIII FIMM inclui 25 espetáculos oriundos de oito territórios. Além de Portugal, chegam a Macau artistas e grupos do Canadá, Rússia, Itália, Argentina, Polónia, interior da China, Hong Kong, Taiwan, e são apresentadas produções locais.

Como é tradição, o festival abre com ópera, desta vez com a obra "Norma - Ópera em 2 Atos de Vincezo Bellini", do Teatro Regio de Torino (Itália), e encerra com o musical da Broadway "Hairspray".

Os destaques deste ano incluem a Orquestra Filarmónica de S. Petersburgo - com dois concertos: Romantismo Russo e Contos da Rússia -, o cantor de Hong Kong George Lam, que vai interpretar temas pop com a Orquestra Chinesa de Macau, e o coro à capela norte-americano Anonymous 4, com os espetáculos "Graça e Glória" e "Antologia".

Já a Orquestra de Macau vai interpretar uma homenagem a Richard Strauss para assinalar os 150 anos sobre o nascimento do compositor e maestro alemão.

Na música de câmara, são destacados os agrupamentos I Musici (Itália), Canadian Brass (Canadá), e o dueto de cordas das irmãs Duo Parnas (EUA), além do Quarteto de Xangai e de um recital pelo compositor e pianista polaco Zygmunt Krauze.

O FIMM estende-se também à Fortaleza do Monte, património mundial classificado pela UNESCO, que vai acolher o guitarrista argentino Dominic Miller, colaborador assíduo na produção de álbuns e digressões de Sting.

A Fortaleza do Monte é ainda palco da norte-americana Laurie Anderson, conhecida pelo experimentalismo, composições ecléticas e multimédia, que em Macau vai apresentar o trabalho "A Linguagem do Futuro", e do Trio Aaron Goldberg, também dos EUA.

Paralelamente aos concertos, estão programadas 26 atividades, que incluem ?master classes', conversas e visitas de artistas convidados a escolas de Macau. A formação de "talentos locais" é outra das apostas desta edição do FIMM, que entre outras iniciativas, vai realizar workshops de jazz com o mestre Zé Eduardo.

O FIMM tem um orçamento de 38 milhões de patacas (3,5 milhões de euros).

O preço dos bilhetes varia entre 80 e 680 patacas (entre 7,50 e 63 euros), sendo alguns dos espetáculos de acesso livre.

FV // APN

Lusa/fim


Comentários

Critério de publicação de comentários