Página gerada às 05:34h, terça-feira 12 de Dezembro

Presidente do Parlamento Nacional timorense renuncia ao cargo

05 de Maio de 2016, 11:08

Díli, 04 mai (Lusa) - O presidente do Parlamento Nacional timorense, Vicente da Silva Guterres, anunciou hoje no plenário a sua renúncia ao cargo, momentos antes da votação para a sua destituição.

"Por dignidade com o cargo, a segunda figura do Estado, eu renuncio ao cargo de presidente do Parlamento Nacional. Desejo sucesso ao meu sucessor", afirmou.

Vicente da Silva Guterres regressou de imediato ao seu lugar como deputado, passando os restantes trabalhos da sessão a ser conduzidos pelo vice-presidente Adriano do Nascimento.

O discurso alterou o guião previsto para a sessão extraordinária de hoje do plenário, que deveria ter começado com a votação da destituição de Vicente da Silva Guterres, culminando um processo de debate de várias semanas.

No seu último discurso como presidente, Vicente da Silva Guterres disse que hoje foi um dia histórico, com a destituição pela primeira vez da mesa do parlamento, numa data que coincide com o 17.º aniversário dos acordos de 05 de maio (entre Portugal e a Indonésia sob auspícios da ONU) que permitiram o referendo de 30 de agosto de 1999 sobre a autodeterminação de Timor-Leste.

Adp Portugal Vicente da Silva Guterres rejeitou os argumentos de que a mesa do parlamento tinha que ser reeleita para refletir a composição do Governo, considerando que "a composição da mesa tem que refletir a composição das bancadas parlamentares, com proporcionalidade". Insistiu não entender os motivos, "o crime", que justificou a decisão da sua bancada o afastar, recordando que foi o próprio então primeiro-ministro, Xanana Gusmão, e líder do CNRT que em 2012 o indigitou como presidente do parlamento.

Agora, perante a atual crise, disse, não ouviu ainda nada de Xanana Gusmão.

Guterres apelou ao povo timorense para que se mantenham calmos no momento atual, a um ano de eleições para a Presidência da República e para o Parlamento Nacional, reiterando que as diferenças políticas se devem dirimir "com diálogo".

ASP // MP

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários