Página gerada às 23:34h, domingo 17 de Fevereiro

Muçulmanos chineses pedem à China imagens dos seus familiares desaparecidos

12 de Fevereiro de 2019, 18:58

Pequim, 12 fev (Lusa) - Membros da minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigur estão a pedir à China que difunda vídeos dos seus familiares detidos arbitrariamente e alegadamente sujeitos a doutrinação política no extremo noroeste do país.

A campanha, lançada hoje nas redes sociais sob o 'hashtag' #MeTooUyghur, surgiu depois de um órgão estatal chinês ter mostrado o músico Abdurehim Heyit a afirmar que está bem, após a Turquia ter afirmado que morrera sob custódia da polícia.

"China, mostra-nos os seus vídeos se eles ainda estão vivos!", escreveu Halmurat Harri, um ativista uigur radicado na Finlândia, na rede social Twitter.

Harri apelou assim ao Governo chinês que difunda vídeos que provem que outros uigures, que se acredita terem sido detidos, estão em boa saúde, face aos relatos de negligência e condições por vezes brutais a que estão a ser alegadamente sujeitos.

Outros uigures radicados além-fronteiras divulgaram no Twitter fotos suas com imagens dos seus pais, filhos ou irmãos desaparecidos, apelando ao Governo chinês para que difunda vídeos a provar que eles ainda estão vivos.

Pequim enfrenta crescente pressão diplomática devido às acusações de que mantém detidos cerca de um milhão de uigures e membros de outras minorias muçulmanas em centros de doutrinação política na região do Xinjiang, no extremo noroeste do país.

Antigos detidos revelaram que foram forçados a criticar o islão e a sua própria cultura e a jurar lealdade ao Partido Comunista Chinês (PCC), nestes campos de doutrinação política, num reminiscente da Revolução Cultural (1966-1976), lançada pelo fundador da República Popular da China, Mao Zedong.

O Governo chinês, que primeiro negou a existência destes campos, afirmou, entretanto, tratar-se de centros de formação vocacional que visam integrar os uigures na sociedade.

Desde que, em 2009, a capital do Xinjiang, Urumqi, foi palco dos mais violentos conflitos étnicos registados nas últimas décadas na China, entre os uigures e a maioria han, predominante em cargos de poder político e empresarial regional, a China tem levado a cabo uma agressiva política de policiamento dos uigures.

Câmaras de vigilância, postos de controle de segurança e policias tornaram-se omnipresentes naquela região, mas Pequim sustenta que tais medidas são necessárias para combater a violência separatista e o extremismo religioso.

Numa rara crítica pública por parte de um país de maioria muçulmana, a Turquia qualificou no sábado como "vergonha para a humanidade" o tratamento dado pela China aos uigures.

O comunicado emitido por Hami Aksoy, porta-voz do ministério turco dos Negócios Estrangeiros, condenou os "campos de internamento" e a "assimilação sistemática" aos quais os uigures estão a ser sujeitos no Xinjiang.

Na mesma nota, o porta-voz turco afirmou ter sido informado da morte sob detenção de Abdurehim Heyit.

"Este incidente trágico reforçou ainda mais a reação da opinião pública turca sobre as graves violações dos direitos humanos em Xinjiang", referiu.

Na segunda-feira, a porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying, classificou aquelas declarações como "um erro muito grave".

A Rádio Internacional da China, órgão estatal chinês, difundiu, entretanto, um vídeo em que aparece, alegadamente, Heyit.

Hua considerou que aquele vídeo de Heyit prova que as alegações sobre a sua morte são uma "mentira absurda".

A porta-voz afirmou que o músico e poeta uigur está a ser investigado por alegadamente colocar em perigo a segurança nacional.

A autenticidade do vídeo não pôde ser verificada e não é claro onde e por quem foi filmado.

Muitos uigures fora da China afirmam que não podem contactar os seus familiares no Xinjiang e que não sabem se estes foram detidos ou ainda se encontram vivos.

A comunicação com alguém além-fronteiras pode suscitar a detenção pelas autoridades, segundo relatos de uigures que conseguiram escapar dos campos.

JPI // FPA

Lusa/fim


Comentários

Critério de publicação de comentários