Página gerada às 12:02h, domingo 21 de Julho

Protestos "violentos" em Hong Kong devem-se a "interferência estrangeira" -- imprensa chinesa

12 de Junho de 2019, 18:12

Pequim, 12 jun 2019 (Lusa) - Um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC) descreveu hoje como "violentos" os protestos em Hong Kong contra a proposta de lei que permite extradições para a China, atribuindo-os à interferência de "poderosas forças estrangeiras".

Numa das raras referências aos protestos na imprensa chinesa, o Global Times, jornal em inglês do grupo do Diário do Povo, o órgão central do PCC, considerou que "sem a interferência de poderosas forças estrangeiras, especialmente dos Estados Unidos, os grupos da oposição não teriam a capacidade de protagonizar incidentes tão violentos em Hong Kong".

O jornal cita vários portais noticiosos de Hong Kong, próximos do Governo central, para descrever os manifestantes como "separatistas extremistas", armados com "garrafas cheias de gás e tinta, ferramentas, barras de ferro e catapultas, para atacar a polícia".

Num protesto contra o documento, milhares de manifestantes juntaram-se hoje nas imediações do Conselho Legislativo de Hong Kong, que se preparava para debater a proposta de lei da extradição.

Tratou-se da segunda manifestação em massa no território, no espaço de poucos dias.

No domingo, centenas de milhares de pessoas protestaram contra aquela proposta de lei, com os organizadores a falaram de mais de um milhão de pessoas na rua e as forças policiais a admitirem apenas a participação de 240 mil.

O Global Times afirmou que os incidentes "violentos" foram alvo de "fortes críticas" por diferentes grupos de Hong Kong, já que "prejudicam gravemente" a "estabilidade" e a "prosperidade" da cidade.

Uma pesquisa no motor de busca chinês Baidu, líder no país, - o Google está bloqueado na China -, indica que a imprensa em língua chinesa, sob apertado controlo da censura do regime, não noticiou as manifestações.

O jornal cita ainda Tian Feilong, professor na Universidade Beihang, em Pequim, e especialista em assuntos de Hong Kong, que disse que "embora os EUA e outras forças estrangeiras não tenham direito a participar da governação em Hong Kong, eles têm poderosa influência para gerar problemas na cidade".

"Isto prova que o sistema legal e a aplicação da lei em Hong Kong devem ser melhorados", afirmou, citado pelo jornal.

Na segunda-feira, a porta-voz da diplomacia norte-americana, Morgan Ortagus, considerou que as manifestações do fim de semana "demonstraram claramente a oposição da opinião pública" àquela proposta, que pode "colocar em risco a autonomia" da região administrativa especial chinesa.

Ortagus considerou que a "contínua erosão do princípio 'um país, dos sistemas' põe em risco o estatuto especial de Hong Kong nos assuntos internacionais.

Washington "partilha a preocupação de muitos residentes de Hong Kong com a falta de salvaguardas nas emendas propostas, o que poderá pôr em risco a autonomia de Hong Kong" e a "proteção dos direitos humanos" naquele território, acrescentou.

Citando o mesmo académico, o Global Times observou que a China "precisa de aprender com o fato de que alguns grupos de oposição em Hong Kong estão firmemente do lado de forças estrangeiras" para "instigar conflitos internos" e "sequestrar a opinião pública da cidade".

"Trata-se de forças ilegais e não grupos políticos normais", apontou.

Centenas de milhares de manifestantes concentraram-se hoje em Hong Kong em protesto contra a proposta de lei de extradição, cujo debate no Conselho Legislativo (LegCo, parlamento local) devia ter começado esta manhã.

A polícia carregou sobre os protestos e lançou também gás pimenta para obrigar os manifestantes a dispersar, tendo a Lusa constatado a existência de feridos.

Proposto em fevereiro e com uma votação final prevista para antes do final de julho, o texto permitiria que a chefe do Executivo e os tribunais de Hong Kong processassem pedidos de extradição de jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

Os defensores da lei argumentam que, caso se mantenha a impossibilidade de extraditar suspeitos de crimes para países como a China, tal poderá transformar Hong Kong num "refúgio para criminosos internacionais".

Os manifestantes dizem temer que Hong Kong fique à mercê do sistema judicial chinês como qualquer outra cidade da China continental e de uma justiça politizada que não garanta a salvaguarda dos direitos humanos.

A transferência de Hong Kong e Macau para a República Popular da China, em 1997 e 1999, respetivamente, decorreu sob o princípio 'um país, dois sistemas', precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

JPI // FPA

Lusa/fim


Comentários

Critério de publicação de comentários