Página gerada às 02:06h, domingo 23 de Setembro

YouTube fecha canais associados a campanha de desinformação sobre Hong Kong

23 de Agosto de 2019, 15:51

Pequim, 23 ago 2019 (Lusa) - O Google informou hoje que desativou mais de 200 canais na plataforma de vídeos YouTube que alegadamente conduziam "operações de influência coordenadas" sobre os protestos em Hong Kong, dias depois de Facebook e Twitter tomarem a mesma decisão.

O Google suspendeu 210 canais do plataforma de vídeo YouTube após detetar um "comportamento coordenado, ao difundir vídeos relacionados com os protestos em curso em Hong Kong".

A empresa não vinculou diretamente a campanha com o regime chinês, mas associou a sua decisão "recentes observações e ações anunciadas pelo Facebook e Twitter".

Esta semana, o Facebook e o Twitter suspenderam também várias contas originárias do continente chinês, que "deliberada e especificamente tentavam semear a discórdia política em Hong Kong, inclusive minando a legitimidade e as posições políticas dos manifestantes".

Ambas as empresas disseram que suspenderam as contas com base em "evidências confiáveis" de que se tratava de uma "operação coordenada pelo Estado" chinês.

A decisão levou a acusações de censura pelas autoridades chinesas.

O Twitter anunciou ainda que não aceitará mais "propaganda de órgãos de imprensa controlados pelo Estado", condenando comportamentos "manipuladores".

Pequim, que há muito se queixa que a imprensa ocidental domina o discurso global e alimenta preconceitos contra a China, investiu nos últimos anos milhares de milhões de dólares para convencer o mundo de que o país é um sucesso político e cultural.

Twitter ou Facebook têm sido parte central dessa estratégia, apesar de estarem bloqueados na China, onde a narrativa é controlada pelo Partido Comunista, cujo Departamento de Propaganda emite diretrizes para os órgãos de comunicação ou censura informação difundida nas redes sociais domésticas, como o Wechat ou Weibo.

Vários órgãos de comunicação estrangeiros estão também bloqueados na Internet chinesa, a maior do mundo, com cerca de 710 milhões de utilizadores.

A antiga colónia britânica vive um clima de contestação social desencadeado pela apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

Os órgãos de Pequim, incluindo a agência noticiosa Xinhua ou os jornais China Daily e Diário do Povo, têm coordenado uma campanha nas redes sociais visando caracterizar as manifestações em Hong Kong como tumultos violentos perpetuados por separatistas pagos por forças externas.

A cobertura diária na imprensa chinesa mostra imagens de manifestantes a atirar tijolos, provocar a polícia e a cercar esquadras.

Imagens de demonstrações pacificas, que têm reunido centenas de milhares de pessoas, de alegados abusos pelas autoridades, ou até as reivindicações dos protestos, são omitidas.

JPI // JMC

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários