Página gerada às 12:33h, terça-feira 10 de Dezembro

Portugueses e lusodescendentes temem criação de "geração amaldiçoada"

17 de Novembro de 2019, 15:35

Hong Kong, China, 17 nov 2019 (Lusa) -- A rápida polarização dos protestos em Hong Kong apanhou de surpresa os portugueses e lusodescendentes, que temem ter sido criada uma "geração amaldiçoada" com os problemas sociais da cidade, incluindo o elevado custo de vida.

Foi na segunda-feira que a portuguesa Georgine Leung teve o primeiro contacto direto com os protestos que há mais de seis meses afetam Hong Kong. "Estava a voltar para casa com a minha filha de sete meses no carro quando jovens vestidos de preto começaram a montar barricadas" perto do aeroporto, recordou a jovem nascida em Hong Kong.

"Alguns transeuntes e também o meu marido começaram a remover as barricadas, mas eles rapidamente as voltavam a montar. A forma como eles estavam dispostos a parar o trânsito, mesmo pondo em perigo a sua própria segurança, para defender a sua causa, era assustadora", disse à Lusa.

Após largos anos a viver no Reino Unido, Georgine admite que achava impensável que Hong Kong chegasse a este ponto. "Sobretudo tendo em conta que a esmagadora maioria dos manifestantes são chineses, uma cultura que valoriza a paz, onde os jovens são ensinados a evitar o conflito e a respeitar os mais velhos e a autoridade", sublinhou.

A mudança foi repentina, sublinha Patrick Rozario. Ainda no início dos protestos, os jovens recusavam-se a usar um cartão recarregável no metro de Hong Kong para não deixar um registo que pudesse ser usado pela polícia, por isso "saltavam as barreiras, mas muitos deixavam lá dinheiro", recordou o presidente do Club Lusitano.

Só que o Governo começou a pressionar o operador do metro para deixar de enviar carruagens extras para transportar pessoas de e para as manifestações, indica. "Agora eles estão zangados", frisou Patrick, referindo-se aos recorrentes atos de vandalismo contra estações do metro de Hong Kong.

Uma opinião partilhada por Georgine: "são jovens desesperados e zangados com as autoridades que, no entanto, se sentem impotentes e ignorados e, por isso, sentem-se no direito de perturbar a vida quotidiana, incluindo espaços públicos".

"Não entendo o que esperam conseguir ao bloquear estradas e tornar a vida difícil para as outras pessoas", questionou a portuguesa.

"Tem havido ações negativas de ambos os lados", reconheceu Viena Mak Hei-man, referindo-se aos manifestantes e à polícia de Hong Kong. "Mas mesmo que estejamos a fazer algo considerado ilegal, como seja bloquear uma estrada, sabemos que é a única forma de chamar a atenção do Governo", explicou à Lusa a portuguesa que tem participado nos protestos.

A incapacidade do Governo de Hong Kong de resolver os problemas sociais da cidade, onde o preço da habitação é o mais elevado do mundo, é parcialmente responsável pela atual situação, disse Patrick Rozario. "O sistema não está a funcionar, não é capaz de se auto ajustar e só os grandes senhorios é que lucram", criticou o lusodescendente.

Apesar de sublinhar que está contra os protestos, Georgine Leung diz compreender a frustração dos manifestantes, "jovens a quem foi dito que tinham de trabalhar no duro para ter sucesso, mas que agora descobrem que vão ter de continuar a viver com os pais, muitas vezes mesmo depois de casarem", lamentou a portuguesa.

Leung afirmou que alguns dos manifestantes dizem pertencer ao que chamam de "geração amaldiçoada", aquela que nasceu por volta da transição de administração, em 1997, e cresceu sob a sombra do surto da Síndrome Respiratória Aguda Severa (SARS) que, em 2003, fez 299 vítimas em Hong Kong e arrasou a economia da região.

E muitos encaram o dia 01 de julho de 2047 como a alínea final da 'maldição', quando termina o período de transição de Hong Kong acordado com o Reino Unido aquando da transferência do território.

Na altura, sob o princípio "um país, dois sistemas", a China prometeu que, pelo menos durante 50 anos, a cidade manteria um elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário.

Viena Mak acusou a China de não estar a respeitar nem o princípio "um país, dois sistemas" nem a autonomia da região. "Todos sabemos que, em 2047, Hong Kong tornar-se-á mais uma cidade chinesa banal, mas há algo de rebelde no nosso sangue que nos diz que temos pelo menos de tentar proteger a nossa cidade", concluiu a portuguesa.

VQ // JMC

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários