Página gerada às 12:33h, terça-feira 10 de Dezembro

Lusodescendentes com 'um olho' no estrangeiro

17 de Novembro de 2019, 15:35

Hong Kong, China, 17 nov 2019 (Lusa) -- Após seis meses de protestos em Hong Kong, os lusodescendentes ainda não desesperam, disse o presidente do Club Lusitano, Patrick Rozario, uma vez que a grande maioria detém um passaporte estrangeiro que lhes permitiria emigrar.

O cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, Paulo Cunha Alves, disse na quarta-feira à Lusa que existem "cerca de 20.000 indivíduos em Hong Kong com passaporte português", sendo que apenas "entre 500 e 1.000 serão portugueses expatriados".

A maior parte são lusodescendentes, que começaram a chegar à cidade assim que foi fundada pelos ingleses, há quase 180 anos. O potencial de Hong Kong atraiu não apenas macaenses, mas também, mais tarde, membros da então numerosa comunidade portuguesa em Xangai.

É o caso de Francisco da Rosa, que nasceu em Xangai e cresceu entre Macau e Hong Kong. "Hong Kong é a nossa casa e nós sentimos o seu sofrimento", afirmou à Lusa o investigador, que está atualmente a preparar uma exposição sobre a presença dos lusodescendentes na cidade, que deverá abrir ao público no Museu de História de Hong Kong em 2022.

A comunidade tem raízes centenárias na região. "[Mas] não nos sentimos tão arraigados a Hong Kong" como os chineses locais, explicou à Lusa Patrick Rozario. Hong Kong "tem-se tornado uma cidade mais chinesa", sublinhou o presidente do Club Lusitano.

O número de lusodescendentes em Hong Kong começou a cair a partir de 1967, quando o impacto da Revolução Cultural na China continental se começou a fazer sentir em Hong Kong, onde chegou a haver atentados terroristas.

A crise mundial do petróleo, em 1973, também encorajou os lusodescendentes a emigrar, nomeadamente para os Estados Unidos, Austrália e Europa, incluindo Portugal.

"Poucas famílias portuguesas têm três gerações a viver em Hong Kong", destacou Patrick Rozario, que foi estudar para o Canadá, onde acabou por viver durante 20 anos. "Como eu, muitos estão cá sobretudo para avançar na carreira e têm os filhos no estrangeiro", explicou o contabilista.

Tal como Patrick, que têm a nacionalidade canadiana, a maioria dos lusodescendentes em Hong Kong tem um ou mais passaportes estrangeiros. "Muitos membros da nossa comunidade têm uma perspetiva mais internacional, têm casa em Cascais ou em São Francisco [nos Estados Unidos] e por isso podem sempre partir quando quiserem", apontou.

Curiosamente, o presidente do Club Lusitano não tem nacionalidade portuguesa. "Nos anos 60 os meus pais tinham muito receio de que eu fosse chamado à tropa e fosse parar a Angola", para combater na Guerra do Ultramar", explicou. "Por isso mesmo eles preferiram naturalizar-se ingleses", acrescentou.

Patrick começou há vários anos, muito antes do início dos protestos, a tentar reaver o passaporte português. "Há muitos de nós a tentar fazer o mesmo, porque mesmo que já não saibamos falar a língua, eu pessoalmente continuo a sentir que sou macaense e que a nacionalidade portuguesa nos dá essa identidade", frisou.

VQ // JMC

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários