Página gerada às 12:33h, terça-feira 10 de Dezembro

Protestos são aviso para Macau e tufão que vai passar - Líder eleito de Macau

20 de Novembro de 2019, 01:14

Macau, China, 19 nov 2019 (Lusa) - O chefe do Governo de Macau eleito afirma que os acontecimentos em Hong Kong são um aviso para Macau e "um tufão" que, mais cedo ou mais tarde, vai passar, foi hoje noticiado.

"Hong Kong deixou que as pessoas soubessem o que são desordeiros, o que são direitos, e como os direitos e as obrigações das pessoas devem estar equilibrados. Muitas pessoas em Hong Kong estão demasiado preocupadas com os seus direitos e ignoram as suas obrigações", afirmou Ho Iat Seng numa entrevista, na segunda-feira, ao canal de televisão chinês CCTV.

"Devemos trabalhar esta questão através da educação", acrescentou, durante a entrevista reproduzida pelos meios de comunicação social de Macau e de Hong Kong.

O ex-presidente da Assembleia Legislativa de Macau sublinhou apoiar firmemente o princípio "um país, dois sistemas", ao abrigo do qual foram criadas as duas região administrativas especiais chinesas de Macau e Hong Kong.

"O princícpio 'um país, dois sistemas' pode funcionar muito bem e por muito tempo. Macau deve ser um modelo para a grande causa da reunificação do nosso país", disse.

"Quando falamos de 'um país, dois sistemas' não nos podemos focar apenas em 'dois sistemas' e ignorar que 'um país' é a condição prévia", sublinhou.

A crise em Hong Kong, a pior desde a transferência de soberania do Reino Unido para a China, em 1997, também afetou o turismo em Macau, considerou.

A ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, inaugurada em outubro do ano passado, era "muito popular nos primeiros meses", indicou.

"Mas recentemente muitos turistas cancelaram as deslocações e dizem que só voltarão quando Hong Kong regressar ao normal", acrescentou Ho Iat Seng.

Na origem dos protestos em Hong Kong uma polémica proposta de emendas à lei da extradição, já retirada formalmente pelo Governo de Carrie Lam.

Contudo, os manifestantes continuam a exigir que o Governo responda a quatro outras reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de Governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento local.

Tal como acontece com Macau, para Hong Kong foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judicial, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

EJ // PJA

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários