Página gerada às 16:53h, quarta-feira 01 de Abril

Ações das subsidiárias do HNA Group disparam após notícias sobre nacionalização

20 de Fevereiro de 2020, 19:57

Pequim, 20 fev 2020 (Lusa) - As ações das subsidiárias do conglomerado chinês HNA Group, antigo acionista da TAP, dispararam hoje nas praças financeiras chinesas, depois de se saber que a empresa deve ser nacionalizada pelo Estado chinês, face à sua debilidade financeira.

Na bolsa de Xangai, as ações das filiais Hainan Airlines e HNA Innovation subiram 10%, o limite diário estipulado, enquanto as ações do HNA Infrastructure Investment Group e do HNA Technology subiram 8,76% e 3,85%, respetivamente.

Na bolsa de Shenzhen, a segunda maior praça financeira da China continental - exclui Hong Kong -, o HNA Investment Group também atingiu o máximo diário de 10%.

O aumento da cotação bolsista surge depois de informações que garantem que o Governo de Hainan, a província no sul do país onde o grupo tem sede, vai assumir controlo e vender vários ativos do setor da aviação a grandes companhias aéreas estatais.

Segundo o portal de informação económica Yicai, o surto do novo coronavírus, designado Covid-19, complicou a situação financeira do grupo, marcada por casos de incumprimento nos últimos dois anos, depois de ter sido forçada a "suspender as operações de aviação civil", devido à queda no número de passageiros.

No ano passado, a dívida da empresa ascendeu a quase 70 mil milhões de euros, segundo os dados divulgados na apresentação dos seus resultados anuais.

Fundado em 1993, quando a propriedade privada estava ainda a começar no país asiático, como uma pequena companhia aérea regional, o grupo HNA alargou, entretanto, os seus investimentos aos setores transporte, logística e retalho, incluindo posições maioritárias nos grupos Hilton Hotels, Swissport ou Deutsche Bank.

O grupo vendeu vários dos seus ativos, nos últimos dois anos, incluindo a participação que detinha na TAP, através da Atlantic Gateway, num negócio avaliado em 48,6 milhões de euros.

JPI // MSF

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários