Página gerada às 15:40h, domingo 09 de Agosto

Novo balanço sobe para 162 as mortes no acidente na mina de jade em Myanmar

03 de Julho de 2020, 01:16

Hpakant, Myanmar, 02 jul 2020 (Lusa) -- O número de mortos na sequência do gigantesco deslizamento de terras registado hoje numa mina de jade no norte de Myanmar subiu para pelo menos 162, naquela que é já a pior catástrofe dos últimos anos no país.

Segundo as autoridades de Myanmar (antiga Birmânia), as operações de busca e salvamento, complicadas pelo anoitecer e pelo tempo instável, estão a decorrer, pelo que o balanço de vítimas mortais pode aumentar.

Além das 162 mortes, os bombeiros locais transportaram para os hospitais da região 54 feridos.

Pilhas enormes de pedras caíram num lado após fortes chuvadas que estão a ocorrer a região, causando ondas de lama que submergiram num vale no cantão de Hpakant.

Fontes da polícia de Myanmar indicaram que, apesar das fortes chuvas que se faziam sentir, os mineiros insistiram em entrar na mina para trabalhar.

Os deslizamentos de terra em minas de jade causam vítimas mortais todos os anos na região montanhosa do estado de Kachin, na fronteira com a China e a Índia, especialmente durante a estação das chuvas.

A zona onde ocorreu o acidente está no centro da extração de jade de Myanmar, o maior produtor mundial desta pedra preciosa, cujas condições de extração são muito precárias e os acidentes frequentes.

As empresas de mineração empregam muitos trabalhadores ilegais. 

Em abril de 2019, um deslizamento de terra matou pelo menos 54 pessoas na região.

Hann Hindstrom responsável da organização não-governamental Global Witness, que acompanha as condições de trabalho nas minas de jade, disse à France-Presse que o acidente de hoje podia ter sido "evitado", acrescentando que "são necessárias" leis e medidas de regulação sobre a extração.

 

JSD (PSP) // EL

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários